Plano Nacional de Cinema

Plano Nacional de Cinema

No pretérito passado, dia 29 de abril teve lugar na Cinemateca Portuguesa, em Lisboa, a apresentação pública do novo site do Plano Nacional e Cinema, da plataforma que contém 54 filmes (nas categorias de História do Cinema Português; História da Animação Portuguesa; Cinematografia Universal, Ficção Nacional e Literatura, História do Nosso Passado e Memória Coletiva e Documentário) e 20 dossiês temáticos sobre alguns dos filmes contidos na referida plataforma.

Na cerimónia estiveram presentes o Senhor Secretário de Estado de Estado Adjunto da Educação e do Secretário de Estado Secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, os diretor e subdiretor da Cinemateca Portuguesa, o senhor Diretor Geral da Educação, as Coordenadoras do Plano Nacional do Cinema e do Plano Nacional de Leitura e a subdiretora do Plano Nacional das Artes, entre outras individualidades. Apenas três escolas a nível nacional foram convidadas a participar, uma delas foi o Agrupamento de Escolas Emídio Navarro, de Almada.  A Coordenadora escolheu uma docente da Equipa PNC de uma dessas três escolas, para dar conta da experiência piloto que havia sido sugerida, com a apresentação de um filme, visionado por meio da plataforma referida, tendo o debate sobre o mesmo decorrido em contexto de sala de aula a partir de um dossiê temático, previamente fornecido.

Os Senhores Secretários de Estado abordaram a importância do cinema para as aprendizagens – onde deve “intrometer-se”, segundo as palavras Senhor Dr. João Costa, para o desenvolvimento de competências, defendendo que, a arte não é importante depois das outras áreas do saber, ela é importante para o desenvolvimento do aluno e da sua humanidade e, como tal, todas as disciplinas devem contribuir para que as aprendizagens se desenvolvam em contextos devidamente articulados. Salientou que, o desenvolvimento da sensibilidade estética é da competência de todas as disciplinas, porque não há disciplinas que estejam isentas dessa responsabilidade formativa e do enriquecer da experiência de aprendizagem dos alunos.

Este enorme passo para a democratização do cinema que pode entrar nas salas de aula – o cinema está, de facto, a partir de agora nas escolas – constitui um investimento muito grande na transformação dos “curricula”, e que deverá ser parte integrante de todas as disciplinas.

A sessão foi gravada e na qualidade de Diretor a ela assisti, mediante o convite formulado pela Coordenadora Nacional do PNC (Direção Geral da Educação), Doutora Elsa Mendes, esperando que o maior número possível de professores do meu Agrupamento retire proveito destes novos recursos e não se esqueça de que de uma maneira pioneira e articulada, o PNC está e deve estar contemplado, de acordo com a Estratégia de Escola Para a Cidadania, nas atividades desta área do saber.

Aconselho-vos a darem uma “espreitadela” à página oficial do Plano Nacional de Cinema e concluirão que, não será de forma alguma, tempo considerado perdido.

Recebam, por ocasião deste reconhecimento da Escola e de todo o trabalho dos professores que nela fazem do cinema uma estratégia para mais e melhores aprendizagens, o meu muito obrigada.

O Diretor

          António Neves